Buscar
  • André Machado

O surreal processo de montagem e teste do motor do Bugatti Chiron

Atualizado: 17 de Mai de 2018

Superesportivo exigiu dinamômetro próprio e simulador de Nürburgring para testar o motor W16 de 1.500 cv e 163,2 mkgf.

Por Henrique Rodriguez



O desafio por trás do desenvolvimento de um superesportivo capaz de atingir 400 km/h não está apenas em gerar tanta potência. O fato do Bugatti Chiron ser um carro tão singular tecnicamente também obrigou a fabricante de origem francesa (hoje sob controle da VW) a ter equipamentos e procedimentos nunca vistos na indústria automotiva.

O W16 8.0 é na origem o mesmo utilizado pelo Veyron. Só que no Chiron ele passou a gerar 1.500 cv e ‎163,2 mkgf de torque (300 cv e 10,2 mkgf a mais do que o Veyron) – e sem significativa alteração no peso, que chega a 627 quilos.


Isso levou a Bugatti a instalar em sua fábrica – adequadamente chamada de Atelier Bugatti – o dinamômetro de roda mais poderoso do mundo, girando tão rápido que acaba produzindo uma corrente elétrica de 1.200 amperes, energia que é retornada para a rede elétrica da fábrica.


A complexidade do motor, com quatro turbos e dez radiadores, também torna difícil e custoso realizar testes com o veículo nas pistas. Por isso, em vez de levar o carro para um circuito como o de Nürburgring para a realização de testes do motor em condição de muita força G, a Bugatti submeteu o motor a um equipamento capaz de simular as condições do circuito alemão dentro de seu laboratório.

73 visualizações
  • Facebook - 1001 Auto Peças
  • Instagram - 1001 Auto Peças

Newsletter

Copyright © 1001 Auto Peças 2009. Toos os direitos reservados.

by ImageMotors